30 de dezembro de 2009

Banhado pela chuva
atravessei a floresta
apreensivo por estar em
uma região proibida.

Ao atingir o topo,
me senti triste com
o silêncio se aninhando
entre meus braços.

A silhueta das copas
suspirava calor e os pássaros
silenciaram no ambiente.

Me arrastei com os ouvidos atentos
esperando encontrar algo que não sabia bem o que era,
a vegetação me derrubava
meus pequenos sussurros viraram ecos
para depois silenciar.

Meu rosto encontrou uma árvore milenar
inalei seu odor adocicado de umidade
e decomposição.

Um murmúrio se intensificou na mata
folhas estalaram,
galhos se quebraram
então todo o mundo girou....

As estrelas despontaram na abóbada como chuva
planei pela escuridão,
sentindo euforia e medo
tesão e paz....

Divisei cintilações
uma luz como a do sol,
verdadeira emoção de encontrar 
esses pequenos seres
fadas, elfos e
amorosas e luminosas sílfides ....

Entre as trilhas
ouvi seu coro místico
expondo meu corpo
meus pensamentos e desejos.

Submergi como um sonho
as náiades me cercavam
enchendo minha alma de ar quente
para uma verdadeira conversão.

Ressucitei purificado
livre,
uma tênue combinação de sonho e memória,
meus olhos adquiriram um matiz amarelo e vermelho
ostensivo,esfuziante.

Levantei vôo juntando-me às fadas,
somos agora sombras negras
rumo à luz evanescente.

Perdi minha identidade
à medida que meus braços se estendem para o céu
as fadas me receberam como um dos seus,
tranquilas e seguras.

Tornei-me tão mitológico quanto elas,
caminhando no silêncio,
ouvindo os pensamentos
caírem na relva,
amplificando os sentidos
planos paralelos de nossa existência.

Transferindo luz, nuvens e tempestade
as fadas me orientam
dando personalidade à minha vida
são espíritos de inspiração
que me aproximam do mundo angélico.

Marcello Lopes

29 de dezembro de 2009

A volta do meu blog Grãos de Sabedoria



Amigos.

Com minhas visitas aos núcleos espíritas aqui em BH, resolvi "reencarnar" o meu antigo e bom blog Grãos de Sabedoria http://graosabedoria.blogspot.com e espero que ele seja o meu divisor de águas.

Desde semana passada quando assisti uma palestra que me marcou muito (contei sobre ela no meu outro blog sobre BH), tenho feito algumas escolhas em minha vida.

Tenho lutado contra os meus defeitos ( e são muitos...) e tentado aperfeiçoar as poucas qualidades que Jesus em sua bondade me concedeu.

Alguns vícios que eu tenho, tenho lutado contra eles, entre eles a falta de paciência, me apaixonar a cada 25 seg ( Sou poeta, fazer o que ??) usar a minha enrgia pra coisas que não darão frutos, entre outras coisas, e isso sempre me lembra Chet Baker cantando :

I fall in love too easily

I fall in love too fast


I fall in love too terribly hard


For love to ever last


My heart should be well-schooled

'Cause I've been burned in the past


And still I fall in love too easily


I fall in love too fast


Enfim, meus vícios não tem nada a ver com drogas ou bebidas, são vícios comportamentais, e eu preciso me reeducar.

Basicamente é isso que irá ocorrer, toda a quinta-feira, após voltar do centro espírita aqui na Padre Eustáquio, vou abrir uma página de uma das obras básicas do Espiritismo ( Livro dos Médiuns, Livro dos Espíritos, A Gênese, Céu e Inferno, O que é o Espiritismo) e ler um capítulo e escrever sobre ele no blog.

O blog é uma forma de estudar a doutrina espírita da melhor forma que eu conheço, escrevendo e lendo, desde moleque eu só estudo assim, lendo e depois escrevendo o que eu entendi do texto.

Acho que para mim será de grande valor intelectual e moral fazer isso, e espero que os amigos que frequentam meus blogs e que são adeptos do espiritismo apareçam e comentem, e os que não forem conhecedores são bem-vindos à comentar, perguntar e criticar.

Fica aqui o convite e desde já desejo muita luz e amor para todos.

Marcello Lopes

26 de dezembro de 2009




Poucos e bons alucinados.

Não aguentei ficar longe do espaço que traduz realmente o que eu sou.

Como um viciado tive o período de abstinência, onde consegui ficar sem pensar em poesia por 2 dias inteiros !!!! Mas aí comecei a ler um novo livro, e as palavras me açoitaram a imaginação, corri para o rascunho e escrevi 3 poemas novos.

Esse abaixo é um deles.

Os outros com calma eu publicarei.

Quero agradecer o carinho de outros poetas que tem visitado esse humilde blog.

Nina &suas letras:  http://www.ninaesuasletras.blogspot.com/

Poesia em Foco:  http://poesiemfoco.blogspot.com/

Outras Palavras:   http://asoutraspalavras.blogspot.com/

Resiliência da Alma:  http://aalmaresiliente.blogspot.com/

LEIAM ESSES BLOGS....

Marcello Lopes



Sempre te amei
bela como a poesia
que sai de um verso
encantadora como as
cores que preenchem
o branco das páginas.

Sempre te amei mudo,
no interlúdio das palavras,
declamadas sob tua pele.

Essas linhas que hoje lês,
tem o íntimo dos meus verbos
o mais secreto dos meus desejos.

Sempre te amei
nessa secreta poesia
que se relaciona com as fadas
entre o meu domínio e o celestial.

Na variedade infinita de versos
letras e curvas,
te desejei.

São esses poemas
como as pequenas toccatas
que com seu canto cristalino
fazem a lua descer do céu.

Sempre te amei
no silêncio das páginas
na alegria de um canto
na tristeza de uma lágrima,
te amo nesses momentos
que não são raros.
 
Teu nome encerra a minha propensão
e pura intenção.
 
És rara alma perplexa com a vida,
com o peso da tua luz acalma esse
vale de lágrimas que é o mundo.
 
Sempre te amei
incapaz de articular os mistérios
dos teus olhos,
apenas observando cada movimento teu
com tranquila atenção.
 
Minha poesia tem música
tem a palavra que nunca foi dita,
a lembrança de uma paixão
revelada aos poucos.
 
Sempre te amei
com uma saudade
e por uma ausência
complexa e insólita.
 
Meu consolo é teu olhar sempre presente
livre dos desejos atuais,
que continuam a sonhar à espera
de ser procurada
e ávidamente amada.
 
Sempre te amei
sou cativo do teu amor
sonho em ler teu corpo
associar símbolos e tuas mãos,
sons com teus gemidos
memorizando teus espaços
tua sensibilidade à flor da pele.
 
E nesses espaços entre as palavras
escrever teu nome
enfrentando a página em branco
tornando-me parte da tua história.
 
Esse amor que te acompanha
nos meus doces momentos
de inspiração,
se tornou uma festa para os meus sentidos
onde teus seios perpassavam minhas mãos
tornando-se flores de matizes amarelas,
vermelhas que a mera visão me feria os olhos.
 
Esses pequenos instantes de felicidade
continuam no tempo,
rugindo na memória
rubros como os raios de sol
penetrando em meu coração
e na minha alma.
 
Sempre te amei
no ar que pressente
o som opaco das nossas falas
as pequenas linhas que ampliam
todos os desejos,
sempre te amei assim.
 
Marcello Lopes

21 de dezembro de 2009



Faltam apenas 4 dias para Jesus fazer aniversário !!!

Esse blog sai de férias, entra em balanço e volta no dia 2 de Janeiro.

Desejo à todos que lêem um santo Natal, uma ótima passagem de ano e que 2010 chegue mais pacífico e produtivo do que 2009.

Que nosso amado mestre possa nos abençoar todos os dias, como fez em 2009.

Muita paz e alegria.

Marcello Lopes

20 de dezembro de 2009



A promoção acabou.

Como eu previa, poucos e bons alucinados participaram e portanto eu entregarei um livro do Mario Quintana a cada pessoa que participou pelos comentários.

São :

  1. Janaína ( poetisa de BH)
  2. Viviane Righi, mãe e blogueira, ex-cunhada e amiga
  3. MR, por favor deixe seu e-mail ou endereço também !!!!
  4. Poesia em Foco, o exemplar é do Mario Quintana, ok ??
Por Favor deixem endereços para que o exemplar chegue após o Natal ( só vou ter tempo depois das festas, ok ?).

Obrigado pela participação.

Marcello Lopes

19 de dezembro de 2009

Escolhi teu olhar
a mansidão dos teus braços
o céu estrelado.

Parei de desejar-te
comecei a te conquistar
anunciando a certeza do meu amor
desvendando teus mistérios.

Escolhi a razão
bebo de ti a paixão,
iluminado pela tua luz
feito vulcão em erupção.

Quis assim
para aniquilar a dor que me consumia
a solidão que me dilacerava a alma.

Escolhi sentir tua ausência,
a doce sensação de acordar
ao teu lado,
nos pequenos gestos cativou-me para sempre.

Minha alma aprendeu com a tua
o caminho,
a vida
a luz que irradia
que aquece e acaricia.

Todos os dias
escolho ficar ao teu lado,
cada dia me entrego à essa
urgência de ter teu corpo em mim.

O amor é imenso
pede a todo instante
que se olhe e veja,
que tenha atenção e escute,
que abrace e retenha o calor
que beije e absorva.

Escolho tudo que doa,
a ausência, a espera
a chegada e a partida.

O amor é perfeito
os homens, não.
O amor é paciente,
os homens não o conhecem tão profundamente.

Escolho a poesia,
a luz das pinturas
um sorriso teu
uma tela de Matisse
um anjo cantando.

Esse amor invadiu-me
deleitou-se das minhas influências
acalantou-se dos meus poemas,
e teu toque tornou-o intenso.

Escolhi viver,
ao teu lado,
te admirando
amando,
desejando....

O tempo ameaça meus poemas
então reivento as palavras 
entortando a gramática, 
dilacerando a ortografia
escolhendo letras para dissolver
meu amor nessas páginas em branco.

Marcello Lopes
Na primeira vez que te vi, me enfeitiçou
fui tocado por uma extraordinária forma de paixão.
esse sentimento me abateu
dominou-me através dos seus olhos.

O tempo me ensinou
que viver sem pensar é loucura
e que não posso me esquivar
do que passou...

Vagueava perdido
me escondendo em grutas
enfrentando animais e pessoas.

Cheguei até você, cheio de dores
escalando rochedos,
dominando meu ímpeto
dessa minha paixão que não pensa
em artifícios ou súplicas...

Os favores são amorosos,
as trocas são generosas

percorremos juntos os caminhos costumeiros
para dominarmos o céu e as estrelas.

Meus amigos sabem o quanto procurei,
o meu coração soube sofrer o ardor
da solidão, levado para locais longínquos,
sempre esperando liberdade,
se foi entre as ondas...

A esperança nunca me abandonou
em momento algum,
sempre juntos na busca pelo amor.

A dor me faz relembrar de palavras
que cada um sempre dizia à aquele que
faz dessa procura a sua vida,

As pupilas ainda amadurecem
o corpo ainda brilha
e o seu olhar detém-se
em minha memória
brilhando, fascinando.

E nos ombros ergo
neste breve momento
tremendo e explodindo tal como estrela
sabendo que é preciso mudar de vida.

Se não fosse assim
não arderia a luz do teu olhar
e nem do meu peito deslumbraria
um caminho onde o sorriso
e a alegria caminhariam juntos.

Marcello Lopes

17 de dezembro de 2009

Sou panela sem tampa,
nasci pra andar sozinho.

Sou perfeito sozinho
e demasiado humano quando estou com alguém,
as paixões me vencem,
os defeitos me sobrecarregam,
a inteligência me excita
e a falta dela me entedia.

Quero novos horizontes,
quero fugir do lugar-comum,
das pessoas medíocres,
inclusive de mim.

Quero as cores mais berrantes,
as mais estridentes harmonias,
não quero me contentar com o cinza,
nem com o dó menor.

Preciso da música,
o silêncio me irrita,
preciso de desafios pois o cotidiano me enoja.
Quero alguém que me excite,
sempre
e em qualquer lugar...

Orgasmos literários,
carnais,
intelectuais
quero todos....

Preciso de alguém
que seja assim,
livre,
sem amarras,
sem pré-conceitos,
sem dó nem piedade.

Quero sexo na hora de fazer amor,
quero amor toda hora.

Preciso de ar,
do riso,
da alegria,
do azul mais profundo.

Paixão é questão de
pele, intelecto
e amor é vontade !!!!!

Marcello Lopes

12 de dezembro de 2009



Poucos e bons alucinados.

Meu blog está fazendo aniversário, na verdade ele já fez mas a correria da cidade, do emprego e minha cabeça mais voltada pra poesia me deixaram passar a data.

Os poucos que me lêem terão seu sacrifício recompensado, quem escrever a frase mais legal usando o nome do blog vai ganhar 1 livro de poesia de Mário Quintana.

Vou escolher duas pessoas pra presentear, por isso deixem suas frases nos comentários, e já que quase ninguém comenta ou lê esse pequeno espaço se você for rápido pode ganhar por WO !!!

As 2 melhores frases ganham livro  !!!!!

Até o dia 20 de Dezembro.

Avisem os amigos, chame os parentes, coloque sua massa cinzenta pra funcionar, não é sempre que você pode ganhar um livro tão fácil.

Marcello Lopes

Lembranças



Minhas lembranças estão
onde meu corpo nunca foi,
juntos dos nossos destinos
entrelaçados.

Tudo que eu tenho são
as minhas lembranças.

Elas me conduzirão à teus braços,
com calma quando os caminhos
se cruzarem
em um abraço apertado
a luz que emana do teu sorriso
inundará minha alma.

Temo perder minhas lembranças.

Os momentos que ainda não vivi
perdê-los seria o final da esperança.

Minha percepção altera-se a cada dia
as diferenças me atingem
as manhãs são imagens recortadas
e os dias sem ti, são colagens para
formarem algo bonito.

A monotonia não me deixa só,
me fazem parar de sorrir
mas não posso perder minhas lembranças.

Porque é nelas que teu corpo se deita
em meus sonhos estás sempre ao meu lado
despida de maldade,
isenta de fraquezas
és sempre bela.

Em minhas lembranças
o amor abstrato dá lugar
às emoções impregnadas
pela poesia e pelo
teu incomparável romantismo.

Não posso perder minhas lembranças,
elas transmitem o poder que a vida me reserva
o encontro está próximo,
me sujeito às esperanças
contemplando a arquitetura
de um romance que se forma entre nós.

Tudo em minha vida converge em tua direção,
se eu não perder minhas lembranças.

Marcello Lopes

Minhas Musas - Cap. III


Minha história é feita de improváveis
sem que me marquem por alguns segundos.

Tudo mudou quando me encontrei com teus olhos negros,
a pele com sabor de sal,
a materialização de um sonho de adolescência.

Uma voz me chama
eu que não era mais lembrado há tanto tempo
clama furiosamente minha presença,
como se a vida fosse intensamente perigosa.

Perco a cabeça,
não a mereço,
mas nem me importo
rogo pelos teus beijos,
teu amor,
tua luz de estrela.

Na tua retina não há dúvida
de me amar sem culpa
sem limites.

Como é fácil me perder em teus cabelos,
olhando-te loucamente
escrevo uma carta de amor
e leio-a entre os teus seios.

A minha sombra respira tua luz
nossos pés molham-se nas águas
de um rio de acontecimentos
que deslizam em silêncio
pelos lençóis.

Te pergunto será que nunca mais nos encontraremos ?
Sorri, e me diz que somos razões diferentes,
rotinas e destinos desconhecidos
e imagino como seria nosso dia-a-dia.

Inebriado,
não ofereço resistência as tuas investidas
nada pode atenuar o efeito de estar em teus braços.

Fecho os olhos por acaso,
e ao abri-los a encontro perto
a verdadeira razão do meu júbilo.

Feliz oportunidade de te amar.

Poema : Marcello Lopes

P.S : Esse poema é dedicado à Salma Hayek, um absurdo de mulher com os seus 1,57m !!!!!!!!

11 de dezembro de 2009



Em nosso áspero silêncio
ficamos presos aos muros
que construímos ao nosso redor.

Como Bandeira, eu também queria
que meu último poema
fosse terno,
que nosso amor fosse ardente
que nosso desejo fosse eterno.

No amor somos finitos,
queremos sempre algo que nos foge
que a paixão seja absoluta
que o tesão permaneça
o infinito é imensamente utópico.

Minha vida hoje tem novas chances
eterna possibilidade
onde lutarei contra o arrependimento,
os rancores.

Pois certas palavras são proibidas
em qualquer hora e com qualquer pessoa
são sílabas reservadas para os amores hollywoodianos
em um tom muito especial.

Meu amor não é assim
só alcança a realidade
com as palavras simples.

Eu queria tudo perfeito
os movimentos,
os atos
esquecer a minha alma
com outra pessoa.

Sentir a felicidade de amar
esquecido da alma
é o amor que encontra
satisfação,
calor e
música.

Meus poemas
roçam minha pele
enquanto escrevo
caminham sobre meu peito
compartilhando esse doído
silêncio.

Eu queria tanto essa loucura
do sal da tua pele na boca
da maciez dos lábios
em minhas mãos,
ler tua pele
morna e
incrustada de versos meus.

Eu amo assim,
com origem e destino,
profundamente
esse sentimento me toma e define.

Sou o que eu amo.

Caminho a teu encontro,
pelo avesso do lugar
silencio quando preciso
e quero desesperadamente
caminhar a meu favor.

Então é assim
que o Outono espalha as folhas
quebra os galhos,
e renova os frutos.

Marcello Lopes 

Adeus.



Caminho não sei pra onde,
em busca de nada,
querendo algo
torcendo para no final
encontrar qualquer coisa.

Apaguei teu número da minha memória,
rasguei as cartas de amor
mudei o guarda-roupa de lugar
tudo pra me curar,
para tentar minimizar
o vazio imenso
que teu corpo deixou na minha vida.

Joguei as nossas fotos fora,
como se pudesse deletar o que vivemos
como se quisesse de uma hora pra outra
zerar o cérebro.

Tudo isso pra suportar
para relevar o grande
espaço que ficou na minha cama.

Deixei a porta aberta
para teu perfume dissipar
forma tola de tentar
apagá-la da minha pele.

Tentei esquecer teu nome
como se um dia nunca ouvisse
falar de ti,
mas para isso teria que ursurpar da
minha alma até expulsá-la
maltratá-la.

Isso é um adeus,
não significa que não dói mais
não significa que eu esqueci nossos
planos,
nossas risadas
o sexo
a paixão que fluía por
nossos poros.

Significa que o tempo de sofrer passou
estou caminhando pra frente,
sem querer olhar para trás,
me esforçando pra levantar e sorrir.

Cada dia é um dia a menos na minha vida,
um dia a menos que eu poderia contar
compartilhar,
sussurrar
te amar.

Pena,
um amor tão bom
morrer assim.

Marcello Lopes
Foto : Andrew Wyeth

9 de dezembro de 2009

Minhas Musas - Cap. II




Ah querida Vênus te desejo como uma forma pura de paixão.

Sei que teus lábios nunca serão meus, tua beleza é absoluta assumindo diversas faces na harmonia do mundo.

Teu corpo no vento se veste flutua simetricamente entre os mortais foram tuas lágrimas que criaram o orvalho e teu riso, a canção. 

Sem tua presença, só me resta padecer amargo de solidão. 

Na cama teus membros ágeis transformam-se, em teus pelos um encanto, em teus seios, poesia.

Te desejo jardins, a chama, cores e virtudes, meu corpo sonha em ser a brasa que te inflama.

Marcello Lopes 

P.S : Esse poema é dedicado à um dos rostos mais lindos que eu já vi, Sienna Miller. 

" Ela é como um objeto belo, que na virtude de sua forma deleita os sentidos, em especial o olhar."

Umberto Eco - História da Beleza.

6 de dezembro de 2009

Num mundo cheio de modas e modismos, hoje é moda ser simples, generoso, leal, amigo, companheiro e vários outros atributos que nos fazem humanos com alma pura (se é que isso existe).

Mas paro pra pensar em quanta sordidez existe implícita no ato de se conquistar a confiança de alguém. O quanto as pessoas se valem dos belos adjetivos e o quanto se vale em ainda dizer que são modestas. E me pergunto o por quê disso tudo?

E mais, o por quê muitas vezes me sinto vítima e culpada ao mesmo tempo. Vítima, depois de dar um passo adiante e ouvir com o coração o que a outra parte tem a dizer e culpada por não ouvir minha intuição na hora que ela fala mais alto.

Sei muito bem que não sou a única a ter essa sensação... sensação de descaso, de uso, de brincadeira. E pior ainda: o quanto nosso ego (aquele bichinho perigoso dentro da gente, que se mal alimentado faz um estrago danado) fica ferido e aí queremos fazer o mesmo que fizeram com a gente.

Pronto. Se formou a corrente ! A pior delas, a corrente do olho-por-olho, onde uns sempre acabam cegos (e geralmente são aqueles que nem pro lado estavam olhando).

Sem perceber, vivemos na linha tênue da autoestima e do egocentrismo. Quando nos sentimos feridos, é o ego que acaba falando mais alto. Queremos nos vingar, fazer beber o veneno que está nos matando, e a cada atitude mal pensada vamos esquecendo a nossa autoestima e deixando ela ali no cantinho tentando falar com a gente, mas o nosso ego grita tanto que nem a ouvimos.

Só vamos dar conta depois que a perdemos, aliás como tudo na vida. Não nos damos conta, mas nos punimos com tudo isso ao invés de sanar nossas frustrações.

Numa atualidade onde a caridade é cool, achamos que ser caridoso com nós mesmos é perda de tempo. Deixamos para que os outros nos dêem amor, carinho, atenção e quando "faltam" com a gente, queremos justiça imediata. Hipócrita, não? Porque se somos tão espiritualizados assim, onde está a máxima "ame ao seu próximo como a SI mesmo".

Se amar não é SE ACHAR mais que o outro. É se permitir ser feliz, é cuidar da saúde, é abrir a alma para a energia positiva. É estar forte diante desventuras. É estar merecedor das conquistas. E querer compartilhar para irradiar, não para mostrar apenas. É saber perdoar!

Mas para muitos, o se amar é ver até onde vai o poder de sedução. Em todos os setores da vida. É jogar com o sentimento alheio, como se este fosse um experimento para aprimorar a sua arte.

Isso é a sordidez que citei no começo. E é isso que vem me angustiando. Por que errar todos erram. Você pode querer muito hoje, mas amanhã não. É compreensível, mas é compreensível conquistar sabendo que não quer aquele sentimento, sabendo que só quer ver o resultado se usar tal tática? Pra mim, isso não é.

Quantas amizades, relacionamentos, relações profissionais não acabam assim? E quantos não ficam feridos, perdem o brilho no olhar, desejando apenas se vingar de algo ou alguém? É tão triste, e mais triste ver que eu me encaixo às vezes nesses sintomas. E esqueço de ser caridosa comigo.

Por isso, eu me perdôo pelas vezes que fui burra, pelas vezes que fui maldosa, egocêntrica, descrente e hipócrita. Pois se eu perdoei os outros e até aceitei algumas pessoas de volta na minha vida, por quê não me perdoar ?

Nas minhas orações agora eu peço também proteção e sensibilidade suficiente para lidar com o meu ego e o ego alheio. Peço coragem suficiente para me perdoar e perdoar os atos pensados e impensados, meus e dos que me rodeiam. Peço amor universal na hora de dizer as palavras e ter atitudes coerentes com as mesmas. Peço bons pensamentos e devo pedir muito mais.

Não dá pra mudar as pessoas, não dá pra mudar a essência, mas se o que eu peço fizer com que eu mesma e outras pessoas pensem duas vezes antes de fizer ou falar qualquer coisa, já está de bom grado!

Eu sou eu. Se sou boa demais, boba demais, feliz demais, triste demais ou tudo isso e mais um pouco de menos, continuo sendo eu.

E você ? Continua sendo quem ? Então, vamos continuar a nos permitir, mas com cautela... Vamos perdoar, mas aprender... Se fazemos com os outros, vamos fazer conosco. Fica tudo tão mais colorido, nítido e vibrante.

Eu pelo menos não vou mais querer saber quem é vítima ou culpado, vou procurar solução e perdão.

P.S :

Esse texto sensacional foi uma idéia minha para minha amiga Cinthia, que compartilha nessa encarnação as desventuras de ser romântico ao extremo, de ser humano, demasiadamente humano.

Se amamos, que amemos com intensidade e verdade, assim os erros são honestos e as vitórias mais doces.

Obrigado Cinthia pelo texto que me fez pensar o dia inteiro no meu falecido relacionamento.

Marcello Lopes

Minhas Musas - Cap. I




Foi o tempo que passou que alegrou o universo e despejou luz e saudades.

A tua ida deixou o escuro e o silêncio deixou minhas mãos surdas meus pensamentos mudos
esperando o esquecimento.

Minha saudade te banha a voz, despe-se da tua imagem impregna-se do teus versos perdura pela tua voz.

Basta um olhar, uma harmonia , uma estrofe para que o vento balance minha felicidade, meu prazer.

Minha musa perdida, eu sou teu poeta abstrato exalto tua voz e teu sorriso, circundo teu corpo de poemas beijos e orgasmos.

Cante sem medo como olhar e não lembrar como tocar e não sentir tuas palavras sucumbem em meu mundo te ouvir é obrigação é paixão tentação que esmorece me completa. 

Foi o tempo que passou perambulou por aí, e admirado pela tua beleza fulminado pela tua cristalina voz acenou para ti, e rogou: 

- volta um dia. . . . 

P.S :  Na minha folga, hoje fui invadido pela paixão da cantora lusitana Teresa Salgueiro, que não canta, declama as letras em um universo bem particular. 

Em Dezembro de 2009 fazem 10 anos desde que eu a conheci pessoalmente em um festival de Artes Cênicas em São Paulo, uma apresentação sensacional no Teatro Municipal, nessa época ela não era tão assediada pela imprensa e fãs, depois disso fui em quase todos as suas apresentações, conseguindo inclusive um autógrafo que guardo como relíquia.

Hoje, nesse tempo chuvoso e cinza, suas canções iluminam minha casa.

Marcello Lopes

Descrever

Descrevo primeiro tua letra,
devagar passo a medir tua compostura
imprimo em tua pele meus poemas,
devagar clareio minhas idéias nas suas
escrevo cartas e memórias ao teu lado
para lermos quando o silêncio nos dominar.

Descrevo depois a tua vergonha,
retrato perfeito da paixão
guardado em teu sorriso
estilhaços de um pulsante coração.

Meu poema é pulso
pano frágil
mãos invisíveis que levitam as palavras
acordes em versos sussurrados
delírios para descrever tua imagem.

Procuro tuas pegadas,
que minha sede e desejo
roubou de ti.

Derramei palavras
sobre teus músculos retesados
deitei-te nos tapetes da noite
alimentei-me de teu ventre
nos tornamos um só
frágeis amantes em um poema.

Minhas mãos tem o teu cheiro
cheiro de lilás,
de papéis e afetos.

Descrevo nos barulhos da noite
como me cativas
como preocupas meu coração
com tua ausência,
com tua indiferença,
loucura apaixonada.

A mulher que eu vejo
serena como a chuva
real como as cores
harmônica como o jazz.

Agora meu coração volta pra casa,
uma vaga memória,
com os restos de dois que foram um,
com poemas ditos pela boca
sentidos pelo coração
ouvidos pela sensibilidade
e que se demoraram na alma.

Marcello Lopes

1 de dezembro de 2009

Meu caminho....

Com a paixão descobri meus caminhos,
resoluto e conformado com as dificuldades
alucinei,
transtornei os espinhos,
transformei minha insanidade em poesia.

Nem sempre meu caminho é claro,
ele se desfaz quando olho nos teus olhos
e nesse momento sei que fiz as minhas escolhas.

O coração me trai,
me testa,
me priva da liberdade.

Meu caminho foi entregue
pelos teus beijos,
aceito pelos meus anseios,
sem freios,
e ambos ficamos feridos.

A condição me impõe
que o desejo tremule
que a dor transpire
e a vontade se apegue.

É para os caminhos traçados
e desconhecidos para a racionalidade
que escrevo,
são eles que me preenchem a vida sofrida
e com orgulho posso dizer que essa luta não foi vencida.

A poesia é a razão de toda uma vida,
amar me faz sofrer assim
mas só minhas letras me purificam e satisfazem.

O amor, escolhe os meus caminhos
livra-me de um peso chamado arbítrio,
vivo sempre em liberdade
até que esse amor me consuma e sem pretender
parto descobrindo um novo caminho.

O caminho é como uma fome,
nem fácil, nem agradável
me absorve e aprofunda meu ser
absorve minha presença.

Escrever sobre o caminho do amor,
multiplico meus sentimentos
em qualquer lugar reservado
algumas palavras não podem ser ditas,
apenas lidas....

Seguimos caminhos diferentes
com definições separadas
de corpo,
movimento
alma.

São os atos do caminho que me permitem viver,
renascer em mim mesmo,
olhos alheios....

Estou longe demais para voltar,
perigosamente perto  para desistir,
na resistência que se segue
aprendo a captar minha própria voz.

Flui pelo pensamento,
se adensa no corpo
canta na alma.

Navego em mares de concreto
trafegando pelos outros,
alheios, autômatos,
rochedos sem destino.

Impassível me estendo até encontrar
um novo porto, emergindo a poesia perfeita,
sob olhares luminosos,
e seios perfeitos.

O caminho é áspero
abismo descrito por Dante,
cantado pelas musas,
pintado com esmero pelos impressionistas.

O caminho sempre esteve lá,
inabalável,
sempre insuficiente
pouco se importando com o que eu vivi,
a suavidade dos sentimentos,
apenas devassa o corpo
equilibra a realidade
em meios aos meus poemas.

Marcello Lopes