26 de agosto de 2014

# 140



Espera amor ! 

Como as ondas do mar somos feitos de começos e regressos, nos agitamos sobre esse sentimento que carrega todos os instantes da nossa vida. 

Transformamos esses momentos que crescem lentamente em seiva, alimento natural do amor, que faz todo o sentido em nossos corações.

Espera amor ! 

Que por mais obstáculos que enfrentamos, estamos juntos, existimos na mistura, na diferença, nos atos e enlaces que só nossos corpos sabem distinguir.

Ternura é tudo aquilo que eu encontro em sua pele, em seus atos, meus olhos refletem apenas o que o seu amor produz. 

Espera amor, o que existe dentro de nós é moldado pelas nossas escolhas, pelas noites regadas a vinho, sexo e risos.

Somos imperfeitos em um movimento único e perfeito.

As outras pessoas não nos entendem porque se movimentam diferentemente, são outras ondas de mares distantes e distintos.

Nos declaramos apaixonados a cada instante que o sentimento transborda, sem expectativas, sem protocolos. 

Somos o que lemos juntos no sofá, nos transformamos nos personagens que assistimos nas séries, somos fruto do alimento que cultivamos em nossa casa, e sob múltiplas perspectivas somos raros.

Espera amor ! 

Os gestos mais simples fogem às palavras e existimos apenas nos poemas que lemos juntos antes do jantar, antes de dormimos abraçados para acordarmos em um mundo onde as palavras não são necessárias, apenas uma onda.

Marcello Lopes

11 de agosto de 2014

# 139




Toca o telefone do escritório:

- Alô

- Oi amor, tudo bem?

- Sim, e você querida?

- Preciso conversar com você.

Essa frase é sempre aterrorizante, fico pensando se falei algo errado, se fiz alguma merda.

- Tudo bem, pode falar.

- Não, tô chegando no seu escritório, desce pra conversarmos.

Aterrorizante se torna pouco nesse momento. Então desço até a cafeteria próxima do escritório, onde a encontro, tensa, sem saber o que fazer das mãos, dos olhos.

- Oi querida !

- Olá, vamos beber algo?

Compramos café e um chocolate pra mim e subimos rumo ao 2° andar, onde nos sentamos um de frente para o outro. A sensação é de que uma bomba irá cair sobre a minha cabeça, em segundos um filme passa na minha frente, e luto contra a ansiedade de saber o que a levou até ali.

- Marcello, preciso te falar uma coisa.

- Ok, diga.

- Bom, você sabe que eu nunca me dei bem nessa história de romance né? Sempre fui uma mulher independente que fugiu de qualquer demonstração pública de afeto, e isso me incomoda muito, mas nunca consegui lidar com isso.

- Sim, eu sei.

- Me escuta, eu nunca soube demonstrar o que eu sentia, mesmo aquela raiva que ficava cozinhando meu estômago e queimava meus olhos, pra mim era fraqueza isso, era se deixar ficar à mercê do cara que eu estava. Eu nunca te contei nada, mas estamos juntos há 6 meses, e preciso falar tudo que tá engasgado em mim.

- Marcello, você é o cara mais paciente que eu já conheci, nesse tempo juntos você me suportou heroicamente durante os meus surtos de independência, de ciúme, de raiva contida e silêncios que me dominavam o dia todo.

Passei a mão em seu rosto e beijei sua mão, ela sorriu.

- Sabe, a primeira vez que ficamos juntos, aquele sentimento irresistível de não nos separarmos, você foi pro meu apto, e ficamos horas conversando e até "esquecemos" de transar, mas no fim dormimos abraçados no sofá com a tv ligada até que de madrugada acordamos e fomos pra cama, e aquele desejo de fazermos amor nos invadiu e nos saciamos até o dia amanhecer, voltamos a dormir o suficiente para eu acordar com o cheiro de café e pão quentinho que você me trouxe na cama.

Sorrio, relembrando todos aqueles momentos que por serem simples e espontâneos me marcaram.

- Aquilo me conquistou, sabe? Me deixou instigada nesse círculo de afeto que você construiu ao meu redor, todos aqueles instantes de afeto, os sorrisos, os carinhos no braço na mesa da minha mãe, sempre aquele beijo na testa que me deixa sem chão.

Nesse momento ela segura minha mão, olhando seriamente nos meus olhos. 

- Eu tô completamente apaixonada por você! São 6 meses de descobertas e jeitos de entender o meu próprio coração, você me deu todas as ferramentas para isso, a simplicidade das coisas que fazemos, aqueles momentos do cotidiano que nunca pensei que iria sentir falta quando estou longe de você.

- Adoro o jeito que você me trata, sempre solícito, atencioso com tudo que me rodeia, eu sei que você não gosta de esperar, e mesmo assim todos os dias você está lá, na estação, sentado esperando por mim, amo o jeito com que você me acorda beijando meu pescoço, minha testa.

- Amo o jeito como você se preocupa em me atualizar sobre filmes, séries e livros que você gosta e que eu nunca vou conseguir entender essa nerdice sua.

- Mas o que mais me emociona é o fato de que você ficou ao meu lado mesmo tendo a oportunidade de ir embora, que você sentou comigo e ficou horas e horas calado naquele parque só pra ficar ao meu lado. Aquele dia em que eu fui grossa com você e tudo que você fez foi ficar quieto e me deixar sozinha, sabendo que eu estava errada e não se valeu disso pra me subjugar de alguma forma.

O café esfriou, o chocolate também, mas ao nosso redor criou-se uma redoma de calor e aconchego que nos impede de perceber o mundo externo, os olhos dela estão marejados e me dou conta de que nunca a vi chorar até aquele instante. Me levanto e gentilmente beijo-a e acaricio seus cabelos.

- É querida, foram os 6 meses mais felizes que eu já tive em muito tempo. Não foram fáceis, tivemos alguns desencontros, algumas coisas não saíram como eu queria, mas a vida à dois é assim, nem sempre acertamos, mas o importante foi que tivemos o dia seguinte, o recomeço, e preciso também te falar algo que até agora não tinha coragem de lhe dizer, porque não sabia como você se sentia em relação ao nosso compromisso.

- Quero te dizer que adoro seus sorrisos, os mais diversos deles nas mais distintas situações.

Ela sorri.

- Esse é o seu sorriso de quando alguém te elogia e você fica sem graça achando que não merece.

- Quantos sorrisos você acha que eu tenho?

- Vários, os que eu adoro e percebi quando estou junto de você são 3.

- Quais são eles ?

- Esse que eu falei e você sorriu, o outro é aquele quando você olha para mim e pensa:

- "Esse meu namorado é muito bobo mesmo !!"

Ela solta uma gargalhada que contagia todo o ambiente.

- Tem aquele sorriso que você faz quando algo te satisfaz e você curte por um bom tempo, quando nós transamos pela primeira vez, quando eu trouxe as flores que você tanto gosta no segundo encontro ou quando eu te levei para assistir aquele concerto que você não conhecia, mas passou a amá-lo.

- Ah Má, eu tô tão feliz...

- Querida, adoro o formato das suas mãos e dos seus pés, de como eles são brancos e com aquelas veias azuis da cor dos seus olhos, adoro o fato de você comer pão com requeijão e geleia misturados e rir da minha cara de espanto.

- Adoro o momento em que eu chego no seu apto e me sinto em casa, sua cama tem o nosso cheiro, na sala meus dvds se misturam com os seus. E na prateleira alguns livros que eu te dei fazem companhia para aqueles que são meus. Esses detalhes quase insignificantes juntos transformam nossa vida.

- É por isso que eu sou apaixonado por você desde o primeiro dia em que eu te conheci, mesmo na pressa de ir pra faculdade, aqui mesmo nesse café eu já tinha a certeza de que você seria minha e que eu faria o possível pra você ser feliz.

- Eu também me sinto tão bem como se nos conhecêssemos há anos, e você falou de detalhes né?

- Tem alguns detalhes que eu percebo em você que me agradam, como o jeitinho que você se aconchega na cama me abraçando por trás e colocando a testa nas minhas costas, ou aquela mão nas minhas costas todas às vezes que entramos em algum lugar, quando estou sozinha sinto falta daquele apoio, da força que emana do seu esforço em me fazer feliz.

É muito legal se sentir reconhecido pela mulher que amamos, que reconhece nossos defeitos mas prefere reforçar nossas qualidades, olho no relógio e vejo com espanto que já se passou quase uma hora e infelizmente preciso voltar pro escritório. 

-  Querida, preciso voltar. E prometo que iremos terminar essa conversa em breve.

- Vou esperar por você em casa, na nossa casa.

Marcello Lopes